Exemplo de Desinvestimento

 

A Avaliação de Opções Reais (AOR) é uma metodologia poderosa para aferir decisões de desinvestimento. Nesta página, nós mostramos uma simples aplicação de AOR, ao avaliar a decisão de uma firma de desinvestir numa fábrica.

 

Neste exemplo, nós mostramos como é que pode ser óptimo manter um negócio não-lucrativo aberto mesmo quando o Discounted Cash Flow (DCF) é negativo. Pode fazer sentido manter a fábrica aberta porque pode ser possível que as condições do negócio recuperem e que o Valor Actualizado Líquido (VAL) fique positivo.

 

Pressupostos:

 

Como nos outros exemplos, os pressupostos que fazemos aqui são apenas para efeitos de exposição. O nosso objectivo é oferecer ao leitor uma perspectiva pedagógica de AOR para desinvestimentos. No nosso trabaIho diário, nós consideramos contextos muito mais complexos e realistas para melhorar a eficiência e a criação de valor para os nossos clientes.

 

  • O desinvestimento é completamente irreversível. A partir do momento em que a empresa fecha uma fábrica, não pode voltar atrás.

  • A empresa pode adiar o desinvestimento. Ela pode desinvestir já ou no próximo ano.

Desinvestir este

ano

VS

Esperar pelo próximo ano

  • A fábrica neste momento está a gerar cash flows negativos. O DCF esperado é de -5M€.

  • No próximo ano, existe uma possibilidade de reversão. Há uma probabilidade de 50% que as condições económicas melhorem, e que a fábrica comece a fazer cash flows positivos. Se as condições melhorarem, a fábrica gerará um DCF de 5M€.

  • Existe também uma probabilidade de 50% que as condições económicas não melhorem, e que a fábrica gere um cash flow ainda pior: neste caso, a fábrica tem um DCF de -15M€.

Este Ano

O Próximo Ano

5M€

-15M€

50%

-5M€

50%

  • Taxa de desconto = 10%. Então, o valor presente dos DCFs é:

     

Este Ano

O Próximo Ano

5M€

1.1

50%

-5M€

50%

= 4.55M€

= -13.64M€

-15M€

1.1

  • O valor de liquidação é assumido para ser 0€. O valor de liquidação contem qualquer valor remanescente das infraestruturas e maquinaria, mas também inclui todos os custos relacionados com o despedimento dos trabalhadores. Por esse motivo, e para manter este exercício mais simples, nós consideramos que ambos os efeitos se cancelam e que o valor de liquidação é igual a 0€.

 

Análise:

 

A regra do VAL é que uma vez que a fábrica vai gerar, em expectativa, um DCF mais baixo que o valor de liquidação, então a empresa deveria desinvestir na fábrica. Neste caso, o DCF é de -5M€ e o valor de liquidação é de 0€. Então, o VAL sugere que a firma deveria desinvestir imediatamente, de forma a evitar cash flows negativos e obter um valor de 0M€. Apesar disso, será esta a melhor alternativa? Ou deverá a empresa esperar mais um ano para tomar essa decisão?

 

Se a empresa esperar mais um ano, vai ter que suportar cash flows negativos na fábrica. Aqueles cash flows em valor presente valem 10%*(-5M€)/1.1 = -0.46M€. Ao suportar estes cash flows negativos, a empresa tem a opção de verificar como é que as condições económicas evoluem. Neste sentido, a empresa tem uma opção de investir 0.46M€ para verificar se as condições económicas melhoram.

 

Se as condições económicas não melhorarem, a empresa fecha a sua fábrica. Mas se as condições económicas melhorarem, a empresa tem agora um activo lucrativo.

Quanto é que vale esta opção de adiar o desinvestimento? Há uma probabilidade de 50% de obter um DCF de 5M€ no segundo ano. Em termos de valor presente, isto iguala à probabilidade das condições económicas melhorarem multiplicado pelo valor presente do DCF: 50%*5M€/1.1 = 2.27M€. Existe também o custo de ter esta opção que é 100%*(-0.46M€) = -0.46M€. Então, o valor da opção de esperar e ver como as condições económicas evoluem é de 1.81M€. 

O valor de desinvestir no próximo ano é maior do que o valor de desinvestir agora. Porque há uma possibilidade de haver uma reversão das condições económicas, a empresa está melhor em manter uma fábrica não-lucrativa aberta por mais um ano do que desinvestir agora. Este exemplo mostra como a regra do VAL pode estar errada para desinvestimento: a regra do VAL sugere que as empresas deviam desinvestir em negócios que podem valer a pena manter abertos.

 

Em conclusão, a regra de AOR é consistente com a intuição do gestor: a empresa devia desinvestir só quando a possibilidade das condições económicas melhorarem não compensar os custos de manter um negócio não-lucrativo aberto por mais tempo. Neste caso, vale a pena. A seguir, nós recalibramos o problema para mostrar o caso possível onde não vale a pena esperar que as condições dos negócio revertam.

 

E se os DCFs possíveis no próximo ano são de 1M€ e -11M€?

Neste caso, duas conclusões do exemplo anterior continuam a manter-se: a empresa tem um valor de 0M€ ao desinvestir agora, e a empresa só desinveste se as condições económicas não melhorarem.

E em relação ao valor de adiar o desinvestimento? A empresa tem na mesma que suportar um custo de 0.46M€ para ter a opção de verificar a evolução das condições económicas. E qual o seu ganho potencial? Neste caso, a probabilidade das condições económicas melhorarem é na mesma 50%, mas o DCF é mais pequeno: o ganho esperado é de 50%*1M€/1.1=0.45M€. 

O valor de esperar por nova informação é negativo porque os custos de suportar os cash flows correntes são maiores que o potencial benefício que vem das melhorias nas condições económicas. Por esse motivo, a empresa devia optimamente desinvestir agora.

Este Ano

O Próximo Ano

5M€

1.1

50%

-5M€

50%

= 4.55M€

= -13.64M€

-15M€

1.1

Valor de desinvestir agora

= 0M€

Valor de esperar

= 1.81M€

VS

Este Ano

O Próximo Ano

1M€

1.1

50%

-5M€

50%

= 0.91M€

= -10M€

-11M€

1.1

Valor de desinvestir agora

= 0M€

Value de esperar

= -0.01M€

VS